O atual cenário das agências de Marketing e Publicidade: existe uma solução ideal para o seu negócio?

cenário das agências de Marketing e Publicidade e qual é a solução ideal para o seu negócio

O atual cenário das agências de Marketing e Publicidade: existe uma solução ideal para o seu negócio?

Você continua batendo a cabeça na parede todas as vezes que vai procurar uma nova agência de publicidade e marketing para o seu negócio, não é mesmo? A verdade é que você nem quer achar uma nova agência…você queria que a agência atual e a anterior tivessem entendido quais são seus objetivos e aonde você quer chegar. 

Pois é… não foi dessa vez.

Encontrar a agência ideal é complexo. Ainda mais em um cenário de GRANDES e CONSTANTES mudanças no mercado da comunicação.

Tudo

muda

muito

rápido.

A gente sabe disso.

É por isso que para evitar que você continue batendo a cabeça na parede até sangrar, por raiva de não encontrar a agência ideal é que você precisa começar a entender o cenário das agências na atualidade.

Assim você vai descobrir exatamente o que o seu negócio precisa.

Quem sabe a sua empresa realmente precise de uma agência que atenda todas as suas demandas.

Ou quem sabe você ainda não saiba que precisa de uma agência com foco em resultado, performance, que trabalhe em conjunto com você para gerar vendas.

Mas e se você não precisar de uma agência?

Vamos descobrir?

Muitas Pequenas Agências em um Mercado de Pequenos Negócios

Pra começar, vamos entender o seguinte: o mercado de agências é dominado por pequenas agências. No panorama das agências digitais brasileiro de 2021, 62,43% do mercado era de “eugências” e agências de 2 a 5 pessoas.

Fonte: Panorama das Agências Digitais 2021 (Rock Content, RD Station e MLabs)

Além disso, ainda de acordo com a mesma pesquisa, grande parte das agências atendem micro, pequenas e médias empresas.

Fonte: Panorama das Agências Digitais 2021 (Rock Content, RD Station e MLabs)

Ou seja, as pequenas agências dominam o mercado!

Isso é muito puxado pela demanda dos pequenos negócios que precisam de profissionais para “terceirizar” atividades de marketing que não conseguem absorver internamente.

Seja por custos ou por não ter capacidade de contratar, treinar e fazer a gestão diária.

💡 O impacto de um mercado dominado por micro e pequenas empresas contratando outras micro e pequenas empresas é que o nível de qualidade, exigência e maturidade dos projetos é baixo.

Do lado da empresa ela não sabe o que cobrar (porque nem sabe direito o que contratou e qual o limite das atividades contratadas). Do lado da agência ela não sabe bem o que deve fazer (porque foi contratada para fazer tudo).

É o verdadeiro “Me engana que eu gosto”…

Ok, mas e aí? Para onde a gente vai entendendo tudo isso? A questão é que aqui encontramos um grande problema…

As empresas começam a pular de agência em agência… e com isso, acabam encontrando o mesmo problema…

Dentre os principais motivos de perda de clientes, apontados pelos respondentes da pesquisa sobre o Panorama das Agências Digitais Brasileiras, destaca-se a concorrência direta e a dificuldade de apresentar resultados.

Existe um mito por trás do marketing digital que tudo pode e deve ser medido.

A realidade é que quase tudo pode ser medido… mas vale a pena medir tudo?

E se tudo pode ser medido, por que é tão difícil provar resultados?

A dificuldade das agências em demonstrar valor nos resultados entregues mostra uma inabilidade em saber:

  • O que medir
  • Por que medir
  • Quando medir (Frequência e estágio do negócio)
  • Como medir
  • Quanto custa medir

Esse tipo de comportamento por parte das agências ocorre dado a falta de alinhamento, falta de expertise, entre outros fatores que fazem com que o trabalho não tenha fundamento.

Afinal, de que forma a agência vai ajudar micro, pequenas e médias empresas a encontrar os melhores caminhos (e resultados) para as suas estratégias de comunicação?

Por ser um mercado que na sua essência te permite mensurar “quase tudo”, afinal, temos acesso a diversos dados por aí, isso provoca um erro imperdoável na gestão das agências ou na gestão do seu negócio…

O erro de lotar clientes ou analistas de dados e mais dados, indicadores desconectados e que não respondem perguntas.

Em tese, todo indicador deveria responder uma pergunta estratégica… o que está sendo feito está nos levando para um lugar mais próximo do nosso objetivo?

A falta de clareza do significado daquele número tira a completa importância dele OU faz a tomada de decisão ser por indicadores puramente sociais (de vaidade).

  • Número de seguidores, fãs
  • Curtidas
  • Views

No médio prazo isso não se sustenta, pois esses indicadores têm pouca ou nenhuma influência no que toda micro e pequena empresa precisa para sobreviver…

QUE É DINHEIRO NO CAIXA!

Se não dá para transformar like e seguidor em dinheiro no caixa ou no mínimo conectar esses dois dados a percepção de valor cai… Percepção de valor baixa promove duas coisas:

  1. O preço médio do serviço cai junto com a lucratividade. (MRR – Monthly Recorrent Revenue)
  2. O serviço se torna desnecessário. (MHS – Must have score)

A lógica é simples… se você vender R$ 10,00 ao preço de R$ 2,00 todo mundo vai comprar o máximo que puder. Por que é nítido que há um ganho nessa operação.

No fim demonstrar valor na teoria é simples, na prática é um emaranhado de sistemas diferentes gerando dados com formatos diferentes, desconectados e sem integração entre eles.

Com a escassez de profissionais analíticos, matemáticos, com conhecimento de tecnologia e marketing, a maioria das agências entrega muitas coisas e pouco valor.

Para completar a inabilidade de Demonstrar Valor podemos somar mais três itens:

  1. Pouca ou nenhuma experiência com administração e modelagem de negócios.
  2. Pouca ou nenhuma experiência em vendas… e principalmente
  3. Vendas por nicho de mercado.

Entender o que é valor para o negócio

Valor para negócios sempre vai estar relacionado direta ou indiretamente a vendas.

“Nothing happens until a sale is made.” – Thomas Watson

Mas como vender mais e melhor? Com mais lucro, para clientes que vão voltar etc?

Para responder essas perguntas é preciso entender o mínimo do modelo de negócio, buscar se especializar cada vez mais em determinados segmentos.

Parece óbvio que quanto mais se estuda um segmento, mais se entende dele… mas para as agências isso não é tão óbvio assim.

Fonte: Panorama das Agências Digitais 2021 (Rock Content, RD Station e MLabs)

Quase 60% das agências são pouco especializadas em segmentos específicos do mercado. São agências que atendem os mais diversos segmentos, normalmente adaptando modelos de sucesso de outros mercados.

Quanto mais diversificado os segmentos, mais difícil fica de entender as dores das personas e como realmente ajudá-las a resolver essas dores… e é importante frisar que uma das principais dores é que a micro e pequena empresa não sabe o que fazer, mas sabe que precisa vender.

E as agências também sabem disso.

Dentre os três principais aspectos de avaliação de sucesso, as agências respondentes indicaram:

  1. Aumento do número de clientes (24,67%);
  2. Geração de Leads (17,60%);
  3. Engajamento nas redes sociais (16.86%).

Mas o GAP de demonstrar valor ainda persiste.

O Marketing desaprendeu a sua atividade essencial?

No significado mais simplista para uma empresa investir em marketing é que ela precisa VENDER algo que ela produziu/produz. Seja serviço, produto, conhecimento… whatever. Tudo só começa a acontecer depois da venda.

Há alguns anos, a união das áreas de Venda e Marketing era apontada como uma verdadeira tendência. O Vendarketing está inserido em grandes agências, mas ainda não faz parte dos serviços oferecidos pela maioria delas.

Para a pergunta “sua agência oferece serviços para ajudar a estruturar a área de Vendas dos clientes”, 32,07% afirmaram que fazem isso de maneira informal, enquanto 22,67% disseram que não, sendo o foco 100% no marketing.

Fonte: Panorama das Agências Digitais 2021 (Rock Content, RD Station e MLabs)

Em resumo, a sensação que fica é que as agências estão produzindo coisas e que de um outro lado há uma demanda por essas coisas porque o mercado sabe que precisa fazer alguma coisa, mas ainda não sabe exatamente o que.

  1. Agência produz “coisas”
  2. Mercado compra “coisas” esperando “vendas/fluxo de caixa”
  3. Agência não consegue provar que ao fazer essas “coisas” isso tem um impacto nas “vendas/fluxo de caixa”
  4. Mercado diminui ou não aumenta a compra pq não sabe se a nota de R$ 10 reais que está comprando está custando R$ 2 ou R$ 50 reais.

Mas o mercado ainda vai continuar comprando… por que uma coisa é certa. Melhor fazendo alguma coisa do que não fazendo nada.

Ele vai se adaptar… Vai aprender, vai fazer sozinho, vai terceirizar para outro ou vai ter a sorte de achar alguém que dê um pouco de lucidez para essa bagunça toda.

Então Internaliza tudo…

Se é tão difícil a relação entre agência e clientes talvez o caminho mais efetivo seja realmente trazer a operação de marketing para “dentro de casa”, esse é realmente o 3º motivo de perda de clientes nas agências.

Fonte: Panorama das Agências Digitais 2021 (Rock Content, RD Station e MLabs)

Isso, em partes, resolve alguns problemas operacionais e de profundidade na comunicação das marcas pela agência.

Mas é uma solução estilo cobertor curto… sabe quando você cobre o peito, mas descobre o pé?

Para médias e grandes empresas essa é sim uma solução viável e inclusive uma tendência global. Cada vez mais grandes players vão criar suas in-house para compra de mídia, ações em redes sociais, estratégia e planejamento e criação de anúncios tradicionais.

Fonte: Report by Oliver “A revolução silenciosa das agências in-house no Brasil”

Mas no mundo das pequenas empresas essa ainda é uma realidade inexequível por alguns fatores:

  • Pequenas empresas são centralizadas nos donos.
  • Os donos sabem pouco ou quase nada de técnicas de marketing, sequer para contratar pessoas.
  • Também falta tempo para gerenciar o dia a dia. Cobrar, medir resultados etc.
  • É caro montar um time exclusivo, principalmente quando ainda não se sabe exatamente quanto vai custar aquela nota de R$ 10,00 reais. Fica difícil investir na frente.
  • Se contratando (em tese) especialistas (agências) o cenário é lotado de incertezas, internamente isso pode aumentar.
  • Existe uma perda natural de capacidade de inovar e fazer diferente no decorrer do tempo.

Low Risk… High Freelancing

Contratos com agências são uma aposta no futuro, relativamente cara. E para piorar, paga no presente. Isso porque é um investimento considerado alto, com contratos por vezes anuais que são feitos com uma certa confiança “cega”. Talvez esse seja um dos principais motivos da principal fonte de novos clientes virem de indicações… o risco é compartilhado.

Uma forma de baixar esse risco é contratar freelancers. Essa é uma solução rápida, com um risco menor – os contratos normalmente são por serviço entregue, e não prendem ninguém a contratos longos.

Esse realmente é um modelo em ascensão global. A pesquisa “The Future of Work” da plataforma Polonesa Talent Alpha indica que até 2030 a necessidade de profissionais em determinados países vai romper de vez qualquer barreira geográfica.

  • Canada will need an additional 200,000 tech professionals
  • The US shortage will be approximately one million tech professionals
  • The Latin America shortage is also one million tech professionals
  • Europe will need to close a gap of 700,000
  • China will require almost 3 million
  • Australia will have to find 200,000 tech experts
  • And, India will have a surplus of 1.3 million technical expert, giving it a unique opportunity through tech and remote work to expand its economy and influence, providing a global resource

Mas alguns problemas ainda persistem:

  • Como contratar freelancers?
    • Como descrever o projeto/objetivo em uma linguagem compreensivel para ambas as partes?
    • Qual devo selecionar? O mais experiente e mais caro? O mediano?
  • Como avaliar os entregáveis?
    • Quando se trata de entregáveis super tangíveis, ex: um folder ou um cartão de visitas. A decisão de avaliação é mais fácil… gostei pago, não gostei não pago.
    • Mas e quando são trabalhos que eles tem um propósito de complementar ou influenciar diretamente na estratégia de vendas. Ex: Uma landing page… o papel dela não é só existir, é existir e converter.

Contratar serviços de marketing entra no dilema da compra da furadeira… ninguém quer a furadeira, quer o furo na parede.

Desenvolver conteúdo, enviar emails, automatizar o marketing é um job to be done… não é um desejo.

O desejo é entupir o caixa da empresa de dinheiro e lucro… esse é o furo na parede, ou indo além… essa é a sensação de orgulho quando seus amigos vão à sua casa e vêem o lindo quadro pendurado na parede.

De certa forma, foda-se a parafusadeira, eu quero a sensação de orgulho. Foda-se o que o freelancer vai fazer eu quero é as vendas acontecendo.

💡 E aí o Job to Be Done não é mais contratar um freelancer ou agência… ou até mesmo internalizar certas atividades. É saber como isso está me gerando dinheiro no caixa…

No fim das contas, existe uma solução para tudo isso?

A resposta meio que já foi revelada… está nas entrelinhas. Comentamos neste conteúdo sobre o fato de que as empresas esperam que as agências entreguem tudo, enquanto as agências atendem todas as demandas possíveis… 

Será esse o maior problema?

E se pensássemos em um modelo de negócios em que a agência atendesse a sua empresa com o que é essencial? Uma agência focada em determinada área, que te ajudasse a entender outros aspectos que envolvem seus resultados, mas que fosse realmente especialista no ponto que mais traz resultados: o investimento em mídia?

Sabemos a importância que o trabalho com conteúdos orgânicos detém, mas será mesmo que é papel de uma agência produzir esse tipo de material para a sua empresa, quando quem melhor conhece o produto ou serviço que você vende, é você mesmo?

Quem sabe uma agência de publicidade especializada e contratada para atender objetivos específicos e bem definidos das pequenas e médias empresas, seja o ideal.

É… algo a se pensar… Existe uma solução ideal para todos? Não. Todas as micro e pequenas empresas estão preparadas para lidar com uma agência que é especializada apenas em um tipo de demanda? Também não…

Mas o que você acha disso? Qual é a solução ideal para o seu negócio? Continue acompanhando os nossos conteúdos para refletir mais sobre o tema e ter acesso a informações relevantes que podem auxiliar na comunicação e geração de resultados para a sua marca. Siga também o nosso Instagram para não perder nenhuma novidade. 

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de nossos conteúdos.​

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.