#1 Branding Insights: Analisamos 10 perfis de e-commerces de moda no Instagram e aqui está o que aprendemos

#1 Branding Insights: Analisamos 10 perfis de e-commerces de moda no Instagram e aqui está o que aprendemos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Benchmarking

Essa palavra é o maior segredo de quem está buscando se destacar da concorrência ou das outras empresas do setor. E, quando falamos sobre o mercado fashion, se destacar é algo muito precioso.

Se você não é da área de comunicação, publicidade e marketing, deve estar se perguntando “mas o que é benchmarking?”

Para Philip Kotler, conhecido por ser um dos pais do marketing moderno, benchmark ou benchmarking é a prática de estudar as empresas que possuem as melhores práticas no seu setor de atuação.

Ou seja, basicamente é dar uma olhada na grama do vizinho…

Não para ter a sensação de que ela sempre está mais verde do que a sua, mas sim para entender o que esse vizinho está fazendo (bem como o que não está fazendo) para atrair a clientela. 

Quem sabe, ao buscar essas inspirações, a sua grama não começa a crescer mais verdinha e bonita e a atrair olhares por aí?

Antes, é importante que você entenda que a prática do benchmarking não está relacionada a copiar os seus concorrentes ou outras empresas do seu setor. Pelo contrário, isso é muito mal visto, inclusive, pelos clientes finais… Principalmente quando falamos de um mercado criativo, como é o caso do setor de moda.

A ideia aqui é se inspirar, buscar referências e entender quais são as estratégias que você pode aplicar ao seu negócio para que a sua marca comece a se destacar.

E é exatamente por isso que decidimos trazer esse conteúdo, pesquisar alguns perfis do segmento de moda, com foco em mostrar algumas análises possíveis.

Se você entrou nesse artigo, provavelmente quer saber o que nós conseguimos visualizar com essa análise dos 10 perfis de moda no Instagram… 

E olha, a nossa investigação foi bem aprofundada, então reserve um tempinho para entender exatamente o que nós concluímos disso tudo e acompanha esse conteúdo até o fim para conseguir visualizar como um benchmarking aprofundado pode apontar caminhos estratégicos para o seu negócio.

Vamos juntos?

Você vai visualizar que a nossa análise está dividida em dois segmentos do mercado fashion (em relação ao seu tipo de venda):

  • E-commerce próprio (subdividido em luxo, casual e fast fashion);
  • E-commerce multimarcas;

Sendo assim, as 10 marcas que analisamos foram:

  1. Chanel (@chanelofficial);
  2. Louis Vuitton (@louisvuitton);
  3. Gucci (@gucci);
  4. Nike (@nike);
  5. Adidas (@adidas);
  6. Calvin Klein
  7. Zara (@zara);
  8. Fashion Nova (@fashionnova);
  9. Farfetch;
  10. Privalia;

Mas, antes de entrar na análise de cada uma delas, vamos entender um ponto essencial…

Por que o Instagram?

Não podemos falar sobre comunicação, marketing e publicidade sem falar sobre as redes sociais. Não é?

Podemos dizer que, marcas que não fazem parte dessa realidade estão sendo esquecidas aos poucos.

Não é de hoje, as empresas estão cada vez mais presentes nas mídias digitais. E. para as marcas de moda, o Instagram se tornou uma vitrine indispensável, por diversos fatores…

Um deles é o fato de que o Instagram é uma rede social com foco na beleza estética.

  • Fotos bonitas;
  • Vídeos conceituais;
  • A beleza na simplicidade da rotina (alimentos sendo fotografados, atividades físicas, #lookdodia e por aí vai);

Ou seja: 

  1. A imagem é extremamente importante para essa mídia.
  2. Assim como a imagem é extremamente importante para o mercado de moda.

Então, o Instagram e o setor fashion trabalham muito bem juntos.

Mas, outro fator essencial que faz com que as empresas invistam neste canal é o fato de que essa é uma ótima forma de se manter presente no dia a dia das pessoas. Até porque, essas pessoas estão constantemente produzindo conteúdos, os quais, muitas vezes, trazem as marcas como foco principal.

Existe uma pesquisa que fala muito sobre como as pessoas estão cada vez mais preocupadas com as suas marcas pessoais (ou self-brands). Essa pesquisa traz informações sobre como cada vez mais mulheres estão se tornando “style bloggers”, principalmente no Instagram… 

Isso só faz com que a relevância do canal aumente para o segmento da moda, certo?

O público que consome moda, utiliza muito o canal. Inclusive para a produção de conteúdo original…

Então, se você ainda não está procurando referências e fazendo o seu benchmarking no Instagram, está na hora de começar a dar uma vasculhada no feed!

Mas, conforme prometemos, trouxemos uma análise que é um ótimo começo para que você entenda como o mercado vem trabalhando essa rede social.

Como a nossa análise aconteceu?

A seleção de marcas foi feita não apenas com base nas contas de moda com maiores números de seguidores no Instagram, mas também levando em consideração os nichos que marcas expressivas atuam. 

Sendo assim, conforme já entregamos lá em cima, trouxemos uma divisão entre e-commerce próprio (luxo, casual e fast fashion) e e-commerce multimarcas, como forma de analisar a comunicação em áreas que são muito distintas entre si.

O que fizemos aqui foi, basicamente, analisar duas semanas de publicações de cada uma das 10 marcas, para que fosse possível entender as lacunas de estratégias entre elas e visualizar as melhores práticas!

A pesquisa ocorreu entre os dias 30 de abril e 12 de maio.

Então chega de enrolação e vamos para a análise?

O mercado de luxo

Análise de marketing e comunicação da marca Chanel no Instagram

1. E-commerce Próprio: Chanel

Uma das marcas de moda mais tradicionais do setor, foi fundada em 1909. É uma empresa francesa, especializada em alta-costura, ready to wear, bens de luxo e acessórios de moda. 

No período dessa pesquisa, o Instagram oficial da marca estava com 39,8 milhões de seguidores e o total de 2.489 publicações.

Bastante gente, né?

Nas duas semanas que analisamos, a marca fez 20 publicações no Instagram. As quais nos trouxeram as seguintes informações:

Utilização de ferramentas/formatos

  • Tag people (pessoas marcadas nas publicações): presente em 15% dos posts;
  • Marcações por @: 10% das publicações marcavam outros perfis;
  • Hashtags: estavam presentes em 100% das publicações;
  • Temática de campanha: 65% das publicações estavam relacionadas a campanhas específicas;
  • Vídeo: 75% das publicações foram vídeos no período analisado;
  • Foto: 10% das publicações foram em formato de imagem estática;
  • IGTV: No período analisado, foi feito 1 upload no canal de vídeos da plataforma.

Comunicação

Percebemos a presença de duas campanhas dominantes: Dia das Mães e comemoração de 20 anos do J12 (produto/relógio). Também estava presente o apoio ao movimento #stayhome através do uso da tag. 

Além disso, organização de playlists de personalidades como forma de incentivo – para arte das playlists, há uma comunicação otimista e descontraída, com temática artística de pintura e colagem.

Em publicações com interferência de design gráfico, há presença de tipografia leve e sofisticada em caixa alta, em linguagem derivada da logo. 

As publicações costumam atribuir créditos a equipes de produção, fotógrafos e revistas onde as fotos são originalmente publicadas.

Há presença de um vídeo de storytelling de produto para IGTV – a ferramenta é utilizada para isso e para cobrir campanhas e desfiles (especialmente Fashion Week).

Percebemos também uma baixa frequência de stories, com apenas um destaque, em como a falta de utilização de emojis e da ferramenta de Store (ferramenta de catálogo de produtos disponibilizada pela plataforma).

Análise de marketing e comunicação da marca Louis Vuitton no Instagram

2. E-commerce próprio: Louis Vuitton

A casa francesa nasceu com a produção de bolsas e malas mas, durante seus 166 anos de história, se expandiu para áreas como vestuário e acessórios. No período dessa pesquisa, o Instagram oficial da marca tem 38,1 milhões de seguidores e 4.252 publicações.

A Louis Vuitton é uma marca bastante conhecida no mercado fashion e, durante as duas semanas analisadas, foram feitas 20 publicações no Instagram.

Confira as principais informações que conseguimos extrair da presença da empresa na plataforma:

Utilização de ferramentas/formatos:

  • Foco em editoriais: presente em 100% das publicações;
  • Tag people (pessoas marcas na publicação): em cerca de 45% das publicações;
  • Hashtag: utilizadas em 100% dos posts na rede social;
  • Foto: 85% das publicações utilizavam fotos estáticas;
  • Carrossel: 15% das publicações foram em formato de carrossel.
  • Campanhas próprias: 45% das publicações.
  • Vídeo: 0
  • IGTV: 0

Comunicação:

Apesar de não estar presente no período da análise, a ferramenta de IGTV é utilizada em desfiles/lançamentos, por personalidades ou acompanhando a produção interna. A hashtags são utilizadas pela marca como indicação de segmento retratado, dentro do leque da empresa (ex: #LVParfums).

É importante analisar que existe uma frequente atribuição de créditos a publicações, fotógrafos e modelos. Isso pode ressaltar a importância de marcar e conversar com pessoas influentes no setor.

Existe um forte uso de fotos de editoriais (sendo campanhas próprias, editorial de produtos ou produzidos por outras publicações). Em especial, neste período de distanciamento social pelo qual estamos passando, o destaque para campanhas antigas, como nostalgia pelas viagens e produções do passado.

Análise de marketing e comunicação da marca Louis Vuitton no Instagram

As fotos são utilizadas com o tratamento original da campanha, sem adição de outros elementos de layout, além de também não trabalhar com emojis. A Store também não é utilizada pela marca.

Análise de marketing e comunicação da marca Gucci no Instagram

3. E-commerce próprio: Gucci

A marca teve seu inicio na produção de acessórios em couro, no entanto, saindo um pouco do universo francês, seu berço foi a Itália. 

Apesar de já ter beirado a falência, atualmente é uma das maiores marcas de moda do mundo, e produz vestuário, perfumes, além de ter expandido o leque de acessórios. Atualmente, a empresa possui 40,4 milhões de seguidores e 6.852 publicações. 

Durante o período de análise, a marca fez 42 publicações, as quais nos apresentaram as seguintes percepções:

Utilização de ferramentas/formatos

  • Foco em editorial: presente em 42,8% das publicações;
  • Campanhas próprias: presentes em 28,6% das publicações;
  • Ações: presentes em 54,8%;
  • Tag people (pessoas marcadas nas publicações): presente em 23,8%;
  • Hashtags: presente em 100% das publicações;
  • Marcações de @s: presente em 100% das publicações do período analisado;
  • Foto: 64,2% das publicações são de imagens estáticas;
  • Carrossel: 16,6% utilizam o formato carrossel do Instagram;
  • Vídeo: 16,6% são vídeos;
  • IGTV: 1 publicação na plataforma de vídeos da rede social.

Comunicação:

Chamam a atenção os posts de apresentação das inspirações da coleção, algo que ambienta o cliente sobre o processo e a história dos produtos que chegarão nas lojas físicas e site. 

Existe uma forte presença dos editoriais da atual coleção e duas ações foram bem estruturadas e divulgadas na plataforma: 

  1. Exposição No Space Just a Place;
  2. e #GucciCommunity – essa com contribuição de artistas durante o período de distanciamento social, provocado pela pandemia do coronavírus,

Também percebe-se o uso dos destaques para divulgação de coleções, eventos, conscientização sobre Covid19, entre outros. A Gucci investe na criação de filtros próprios, que também são divulgados nos destaques no Instagram.

Gucci Community

O IGVT é utilizado principalmente para #GucciCommunity, eventos e campanhas.

Aqui, também notamos uma frequente atribuição de créditos a modelos/artista e fotógrafos nas publicações. 

Assim como a Louis Vuitton, notamos o uso de hashtag para atribuição de segmento (ex: #GucciEyewear).

Existe também uma curiosa atribuição dupla (via hashtag e @) para o estilista e diretor criativo, Alessandro Michele, em todos posts.

À exemplo das anteriores, a marca não trabalha com emojis e com a ferramenta Store.

Assim como as fotos publicadas são utilizadas de forma original, sem intervenção ou inserção de outros elementos gráficos.

É coerente a presença de cores fortes e alegres, assim como estética retrô e campy, características renomadas da Gucci e acentuadas sobre a direção de Alessandro Michele (@Alessandro_Michele).

O mercado casual

Análise de marketing e comunicação da marca Nike no Instagram

4. E-commerce próprio: Nike

Originária dos EUA, a Nike atualmente tem seu HQ em Oregon. O seu início aconteceu com a produção de tênis para prática esportiva mas, além de focar em performance, também possui um grande destaque em setores mais casuais, como o streetwear, com colaborações com outras marcas e artistas/atletas. No momento da pesquisa, a marca contava com 111 milhões de seguidores e 769 publicações. 

No período analisado, a Nike não fez nenhum post. Mas, decidimos fazer uma breve análise sobre ela, devido a importância da sua presença no mercado fashion.

Comunicação

Com mencionamos, zero publicações no período de análise… o que complica um pouco! 

Podemos supor que, em vista do coronavírus, algumas áreas da empresa estejam em pausa. Afinal, duas semanas sem publicações, para uma marca de 111 milhões de seguidores, é bastante incomum.

Ainda assim, é muito difícil falar em moda casual sem citar a Nike. Além disso, a presença dela na lista é válida como registro de um comportamento específico.

De forma geral, os posts estão mais espaçados e, em relação aos que antecederam o período de análise, podemos fazer algumas afirmações:

  • Por conta do atual contexto, a marca têm focado em trazer atletas adeptos de seus produtos para mostrar como estes se mantêm ativos em período de isolamento social. 
  • Nota-se também o forte uso de ferramentas de interação nos stories, como enquetes e emojis deslizáveis. 
  • Os últimos posts foram sobre cuidados com o Covid19, frases de apoio ao #StayHome e medidas que a empresa tomou para proteger seus funcionários. 
  • O IGTV apresenta atletas representando a marca, além do desenvolvimento de campanhas.  
  • Vale ressaltar que a Nike possui uma identidade visual muito bem alinhada e isso está claramente presente nos posts que contam com intervenção gráfica.
  • O design é pautado pelo contraste entre preto e branco, e carregado de letterings agressivos com fontes em caixa alta e frases de impacto. 
Análise de marketing e comunicação da marca Nike no Instagram
Análise de marketing e comunicação da marca Adidas no Instagram

5. E-commerce próprio: Adidas

Fundada na Alemanha em 1920, a marca, assim como a Nike, também começou com sapatos esportivos. Atualmente, além de equipamentos e roupas para prática de esportes, faz colaborações com artistas e estilistas mirando no segmento casual. No momento de análise, a Adidas contava com 25,7 milhões de seguidores e 773 publicações.

Durante o período analisado, a empresa fez apenas 6 publicações.

Utilização de ferramentas/formatos

  • Vídeos: 66,6% das publicações foram neste formato;
  • Foto: não foram publicadas imagens estáticas;
  • IGTV: 33,3% das publicações estavam relacionadas ao IGTV;
  • Hashtag: 83,3% contavam com a presença de hashtags;
  • Marcações de @s: 33,3% das publicações marcavam “@s” nas legendas;
  • Tag people: 33,3% das publicações marcavam pessoas;
  • Ações (#hometeam): 83,3% dos posts.

Comunicação:

Notamos que os destaques de stories são utilizados para lançamentos e apresentação de novidades, receitas e tutoriais da ação #hometeam, além de conversas entre personalidades e segmento Creator U.

Há um incentivo de interação para fazer parte da comunidade #hometeam.

O IGTV é utilizado para para ilustrar o envolvimento de personalidades com a marca, seja através da performance nos esportes ou através da apresentação do estilo para streetwear.

Percebe-se a utilização de intervenções gráficas através de letterings grandes, em fontes com bastante largura e/ou altura, sempre em caixa alta – uma estética associada ao esporte. 

Análise de marketing e comunicação da marca Calvin Klein no Instagram

6. E-commerce próprio: Calvin Klein

Fundada pelo estilista de mesmo nome, em Nova York, no ano de 1978, a marca iniciou com maior foco em roupas masculinas. Após abranger o público feminino, além do ramo de sportswear, se destacou na produção de jeans, perfumes e acessórios. No momento da análise, a Calvin Klein possuía 20,9 milhões e 5.654 publicações.

Durante o período analisado, a marca fez 17 publicações e nos trouxe as seguintes percepções:

Utilização de ferramentas/formatos

  • Vídeos: 8,3% das publicações;
  • Foco em Editorial: 25% das publicações focam em editoriais.
  • Carrossel: 25% das publicações utilizam esse formato;
  • Foto: 66,6% são imagens estáticas;
  • IGTV: não tiveram publicações neste formato no período analisado;
  • Marcações de @s: 100% das publicações trouxeram marcação de @s em suas legendas;
  • Hashtags: 100% das publicações fazem uso de hashtags;
  • Tag people: 100% dos posts marcam pessoas/perfis;
  • Ações: 75% dos posts fazem parte de ações da marca;
  • Emoji: 0% das publicações fazem uso de emojis.

Comunicação

Percebemos uma forte presença da tagline #mycalvins, campanha que já é bastante conhecida da marca. Além disso, vale destacarmos a presença da ação #athome, onde os modelos são fotografados em casa, com foco na conscientização em relação ao isolamento social necessário para o momento. 

O feed traz uma sensação intimista – até mesmo sexy em alguns momentos, onde existe uma resposta da marca aos consumidores que comentam as publicações, fazendo um encaminhamento para DM. 

My Calvins

O IGTV é utilizado para campanhas específicas e para a estratégia #mycalvins.

Os destaques de stories trazem temas como combate ao Covid19, #athome, entre outros conteúdos produzidos pela marca.

O mercado de Fast Fashion

Análise de marketing e comunicação da marca Zara no Instagram

7. E-commerce próprio: Zara

A rede nasceu na Espanha, no ano de 1975, e atualmente é considerada uma das marcas do segmento com maior expansão anual. 

Constituída por linhas de roupas masculinas, femininas e infantis (além da submarca Zara Home), o modelo de alta produção (fast fashion) tornou a marca protagonista em diversos escândalos sobre trabalho escravo e direitos autorais. Projetos sociais e investimentos têm sido a estratégia para contornar o abalo que a imagem da marca sofreu pela sua postura. No momento da análise, a marca possuía 39,3 milhões de seguidores e 2.970 publicações.

No período analisado, a Zara fez 11 posts. Analisamos cada um deles e abaixo você confere um breve resumo das informações:

Utilização de ferramentas/formatos

  • Vídeo: 18,2%
  • Editorial: 100%
  • Carrossel: 0%
  • Foto: 81,8%
  • IGTV: 0%
  • @: 100%
  • #: 100%
  • Tag people: 0%
  • Emoji: 0%

Comunicação

Percebe-se que o perfil responde as dúvidas de clientes no comentários das publicações, mostrando a proximidade da marca com o público.

Os destaque de stories são utilizados para a divulgação dos editoriais, coleções e projetos.

O editoriais são intimistas com as modelos nas próprias casas, contextualizando com o período que estamos enfrentando.

feed Zara

A utilização do IGTV é feita para mostrar campanhas.

Hashtags são utilizadas como sinalizadoras do segmento referente à temática da publicação (ex: #zarawoman, #zaraman).

Os posts não possuem intervenção de layout e elementos gráficos, são publicadas fotos originais.

Análise de marketing e comunicação da marca Fashion nova no Instagram

8. E-commerce próprio: Fashion Nova

Apesar de fundada em 2006, a marca norte-americana só aplicou seu modelo atual de ação para e-commerce em 2013. Iniciou com roupas femininas e expandiu para linhas curves (plus size) e masculina em 2016 e 2018, respectivamente. 

Possui grande presença no Instagram, e usa influenciadores e artistas como principal representação – já tendo sido citada, inclusive, em diversas músicas de rap. No momento da análise, a Fashion Nova estava com 18,3 milhões de seguidores e 54.725 publicações. 

Durante o período da análise, a Fashion Nova publicou 386 vezes. É isso mesmo, foram 386 posts em duas semanas… Confira um resumo da nossa análise:

Utilização de ferramentas/formatos

  • Vídeo: 13% das publicações;
  • Carrossel: 17% dos posts utilizam esse formato;
  • IGTV: 0,7% das publicações;
  • Foto: 70% das publicações são de imagens estáticas;
  • Repost de clientes: 49,2% das publicações são posts que tinham sido publicados pelos clientes da marca;
  • Lookbook: 20,5% das publicações;
  • Editorial: 6% das publicações;
  • Marcação de @s: 63% dos posts;
  • Tag people: 0,25% da publicação marcam pessoas/perfis;
  • Hashtags: 56,2% dos posts utilizam hashtags;
  • Emoji: 100% das publicações;
  • Ação #fashionovacares: 6,7%.

Comunicação

É importante ressaltar que na comunicação da Fashion Nova no instagram, todos os posts são acompanhados pelo endereço do site, hashtag da marca e forte uso de emoji. 

A marca é caracterizada por ter um volume massante de posts, além de incentivar que suas clientes publiquem looks para serem republicadas.

Não possuem grandes produções para editoriais conceituais. Os editoriais presentes são basicamente lookbooks ambientados. 

Sempre que um produto é retratado nos posts, a legenda traz o nome para facilitar a pesquisa no site.

Não há uma relação aparente entre reposts x lookbook x ação no feed.

A maioria das fotos é original. Os posts que trazem intervenção de layout, com elementos gráficos, são predominantemente vídeos (ex: Dia das Mães e promoções) e são republicados de forma frequente. 

O design costuma trazer tons pastéis e fonte em caixa alta, destaques isolados por box, com letterings em grandes proporções – estética recorrente no streetwear.

Análise de marketing e comunicação da marca Fashion Nova no Instagram

O IGTV é utilizado como ferramenta de entrega de conteúdo – dicas de vestuário, entrevistas com influenciadores, entre outros. Os destaques de stories trazem campanhas, promoções e produtos.

Os stories diários são preenchidos com produtos, descontos informações rápidas e a marca se preocupa em responder as dúvidas dos clientes nos comentários das publicações do feed.

Análise de marketing e comunicação da marca Farfetech no Instagram

9. E-commerce multimarcas: Farfetch

A Farfetch é uma empresa de e-commerce de moda de luxo nacional e internacional, vende marcas famosas e moda premium. O site foi fundado em 2008, com sede em Londres e filiais em todo o mundo. Atualmente a marca conta com 2.1 milhões de seguidores e totaliza 9126 publicações.

No período analisado, foram feitas 41 publicações. Confira um resumo das informações analisadas:

Utilização de ferramentas/formatos

  • Vídeos: 24,3% das publicações;
  • Carrossel: nenhuma publicação.
  • IGTV: nenhuma publicação.
  • Fotos: 73% das publicações são de imagens estáticas;
  • Marcações de @s: 36% das publicações;
  • Tag people: 92,7% dos posts;
  • Hashtags: 78% das publicações;
  • Emoji: nenhuma publicação traz a utilização de emojis.

Comunicação

As fotos utilizadas no feed são principalmente originárias da marca do produto ou da boutique que disponibiliza na plataforma. Por isso, não há um padrão imagético consistente no feed – salvo pelos vídeos de apresentação de marca, trazendo o fundo preto com palavras-chave em caixa alta, como forma de destaque para a narração.

São atribuídos créditos às marcas, boutiques, produtores e/ou entrevistados no post.

Fazem a utilização da hashtag #supportboutiques, um ideal defendido pela plataforma. A hashtag aparece em 75,6% dos posts, sendo bastante presente nas publicações.

As dúvidas dos clientes também são respondidas nos comentários.

Os destaques de stories trazem a FAQ, #supportboutiques, novidades e uma temática de consciência de consumo.

Stories são utilizados como entrega de conteúdo – apresentação de marcas, sugestões de decoração/vestuário, etc.

Análise de marketing e comunicação da marca Privalia no Instagram

10. E-commerce multimarcas: Privalia

Privalia é um outlet fashion online sediado na Espanha, fundado em 2006. Suas operações se estendem à Itália, Brasil e México. A empresa organiza campanhas curtas e limitadas para a divulgação de marcas e produtos, notificando seus usuários por email e mensagens. No momento dessa análise, a marca contava com 614 mil seguidores e com 2423 publicações.

Durante o período analisado, a marca fez 41 publicações, que nos trouxeram os seguintes números:

Importante: a marca não possui um perfil internacional oficial, portanto foi analisado o perfil brasileiro.

Utilização de ferramentas/formatos

  1. Vídeo: nenhuma publicação;
  2. Carrossel: nenhuma publicação no período analisado estava em formato carrossel;
  3. Foto: 94% são imagens;
  4. IGTV: 5,8% dos posts;
  5. Editorial: 64,7% dos posts;
  6. Repost: 6,8% das publicações são de outros perfis;
  7. Marcação de @s: 100% das publicações trazem @s nas legendas;
  8. Tag people: Nenhuma publicação utilizou a marcação de perfis;
  9. Hashtags: 100% das publicações;
  10. Emoji: 100% das publicações;

Comunicação

Fazem frequentes publicações descontraídas, de inspiração/mood, trazendo outras temáticas para o público, que não somente os produtos.

Instagram Privalia

Também não há unidade visual pela utilização dos editoriais originais das marcas dos produtos comercializados.

Trazem as respostas para os clientes nos comentários das publicações.

Os destaques apresentam conteúdos diversos, como o #fiqueemcasa (referente ao momento atual), apresentação do sistema de compras e da casa Privalia.

Métricas gerais

A análise teve como amostra os posts publicados nas contas pelo período de duas semanas, totalizando 535 posts.

Abaixo a análise em relação aos padrões de todos os 535 posts, atentando a formatos, temáticas e comunicação.

  • Fotos: 70,3%
  • Vídeo: 16,63%
  • Carrossel: 15,15%
  • IGTV: 1,5%
  • Repost: 36,2%
  • Editorial: 18,5%
  • Ação: 11,7%
  • Tag people: 14,2%
  • @: 68,2%
  • #: 70,3%
  • Emoji: 79,6%

Percepções, conclusões e… moda!

Agora que você passou pela análise, pegue um café e vamos entender mais a fundo o que todos esses números querem nos dizer…

É claro que, depois dessa apresentação aprofundada sobre cada uma das marcas, você já deve ter percebido alguns pontos de congruência entre elas, certo?

Então vamos entender o segredo para que elas se destaquem dessa forma…

Ponto em comum: conteúdo

Talvez esse seja o único ponto em comum entre todas elas. 

A produção de um conteúdo relevante para o público é uma estratégia que todas as marcas utilizam. E, acredite, isso não quer dizer que elas estão copiando uma a outra…

A ideia da produção de conteúdo é engajar os usuários, fazer com que eles tenham motivos para interagir com os perfis. E, até mesmo as marcas de luxo, como a Gucci, oferecem conteúdos de relevância para os usuários.

Utilização de hashtags, criação de campanhas específicas, conversas com influencers, compartilhamento de posts dos clientes…

As estratégias para a produção de conteúdo no mercado de moda são infinitas e vão além de terem como objetivo apenas a provocação do engajamento do público alvo, elas podem ajudar a construir a sua marca. 

O setor interfere na forma de se comunicar

Você percebeu que as marcas de luxo possuem um padrão de comunicação? Assim como as marcas casuais? Assim como as de fast fashion?

Pois é, em nossa análise, percebemos que existem padrões que dependem do segmento de atuação de cada uma das marcas/empresas.

As marcas de luxo, que possuem um tempo de mercado muito maior, além de trabalharem com o imaginário da “moda das passarelas”, possuem um apelo criativo conceitual, muito maior do que as outras. Além disso, podemos notar a presença de artistas envolvidos nas produções, fotógrafos renomados, estilistas, que geralmente são taggeados nos posts, para gerar um buzz maior ainda sobre cada conteúdo publicado. 

Já as marcas casuais, trazem uma comunicação mais intimista, mais próxima do público. Por mais que cada uma conte com um posicionamento de marca diferenciado, elas possuem conteúdos mais ecléticos, que não focam somente em editoriais. 

Vale ressaltar que as marcas casuais também trazem pessoas, como influencers, artistas, entre outras pessoas relevantes para a sociedade, para fazer parte das campanhas específicas, com foco em uma estratégia de endosso.

Podemos citar aqui, por exemplo, a Calvin Klein, que trouxe recentemente a Pabllo Vittar para sua campanha global #ProudInMyCalvins com foco na diversidade da comunidade LGBTQIA+.

Por fim, as marcas de fast fashion trazem uma comunicação um pouco mais agressiva, mas, assim como as casuais, também estão sempre próximas ao consumidor. 

Essa proximidade é ainda mais destacada na linguagem utilizada, repleta de emojis. Além disso, como costumam manter uma comunicação com o consumidor na plataforma (através do comentário), essa aproximação sai apenas do imaginário e se transforma em realidade.

Em sua comunicação, geralmente possuem o foco maior na venda de suas coleções (para marcas com produção e e-commerce próprios) ou a venda dos produtos de terceiros (e-commerce de multimarcas). Sempre seguindo o tom de voz, bem como a estética que a marca possui, ou seja, cada uma o faz de forma original.

Vale ressaltar que as marcas de fast fashion não deixam de produzir conteúdo!

Muito pelo contrário. Pelo fato de estarem mais envolvidas com o público, recebem ajuda na produção de conteúdo, o que faz com que sejam amplamente divulgadas nos perfis de pessoas físicas.

Formatos

O setor fashion é imagético. Isso é inegável!

É por isso que o Instagram é uma das principais plataformas para quem trabalha com esse segmento.

Mas, então, qual formato utilizar? A plataforma permite, vídeos, fotos, carrossel, Gifs, Stories, etc…

Em nossa análise, percebemos uma grande utilização de alguns formatos, que consideramos os principais e mais importantes para que qualquer marca de moda consiga destaque na rede social e possa captar a atenção do seu público. Vamos relembrar alguns números?

  • Fotos: 70,3%
  • Repost: 36,2%
  • @: 68,2%
  • #: 70,3%
  • Emoji: 79,6%

Esses foram os números que mais se destacaram, na análise geral.

É claro, vale lembrar que qualquer estratégia deve estar ligada ao seu branding, tom de voz e a alma da sua marca. Se não tem nada a ver você utilizar emojis na sua comunicação, o fato de a maioria das marcas utilizarem, não quer dizer que você deva aplicar essa estratégia.

Mas o que podemos tirar desses números?

  • Podemos entender que a utilização de fotos são essenciais para o setor;
  • Utilizar a marcação de perfis nas legendas é uma prática bastante comum para o mercado da moda e pode te ajudar a engajar ainda mais o seu público;
  • Assim como fazer repost de publicação de pessoas que estão consumindo a sua marca;
  • & Hashtags podem te ajudar a reunir temas de interesse.

A criatividade da moda não para nas coleções

É interessante analisar que a identidade de cada marca se expressa também na forma como elas trabalham no Instagram.

A Gucci pode ser considerada um exemplo perfeito disso, já que a marca consegue demonstrar de forma bastante efetiva a essência das suas coleções através das estratégias de comunicação no Instagram.

Isso ocorre pois a marca consegue levar estampas e a forma como trabalha com as roupas, para os elementos que aplica no design das publicações, fazendo com que ao olhar para um post, você já consiga fazer um link com a marca.

Falta de intervenção gráfica

De uma forma geral, são utilizadas as próprias roupas e produtos nas publicações. Ou seja, não existem muitos layouts e elementos gráficos.

Essa é uma percepção que comprova o quanto as imagens são importantes para o mercado fashion. O público quer ver o produto!

Comportamentos específicos

Percebemos que as empresas multimarcas, ou seja, que trabalham com coleções de outras marcas, possuem feeds menos trabalhados, já que as imagens e outros conteúdos utilizados pertencem a outras marcas.

Outro comportamento interessante dessas marcas é o fato de que elas utilizam bastante a estratégia de republicação de posts que os próprios clientes fazem, marcando as empresas na rede social. 

Conforme já ressaltamos, essa estratégia é importante e bastante eficaz para ressaltar a proximidade com o público final.

Conseguiu perceber como o benchmarking é importante?

Ufa, terminamos…

Percebe como o benchmarking pode trazer diversos insights para as empresas?

Só aqui nessa pesquisa, especificamente para o mercado de moda, conseguimos visualizar estratégias para diferentes segmentos do setor, quais são os melhores formatos a serem trabalhados, referências em relação ao que está sendo feito no mercado, boas práticas, gaps entre o que uma marca faz e outras não…

Possibilidades infinitas para transformar a sua comunicação nesta rede social.

De acordo com a nossa designer, Olívia Lino (@olivia.lino), uma das responsáveis pela coleta de dados que apresentamos aqui e pelas análises, a pesquisa foi interessante…

“…para esmiuçar e fazer uma análise pontual sobre cada segmento de moda”.

Ou seja, conseguimos visualizar padrões e técnicas relacionadas ao design das publicações, a forma como se comunicam nas legendas, a forma como respondem o público nas redes sociais, que podem ser benéficas para diferentes segmentos.

O que você vai levar para a sua marca?

Agora que você chegou ao final, está na hora de refletir e planejar.

Pense em quais estratégias vão trazer benefícios para o seu negócio, quais conversam com o seu tom de voz, o seu branding, o seu público.

O benchmarking que fizemos aqui é apenas o início de um planejamento de comunicação eficiente e que traz resultados de engajamento, interação e presença de marca.

No fim das contas, isso impacta e muito nas suas vendas! Quanto mais a sua marca estiver presente, mais fácil fica de tomar a decisão de comprar ou não o seu produto.

Nós já falamos um pouco sobre como o branding interfere no seu resultado final de vendas, entenda aqui! >

Esperamos que você aproveite o conteúdo, consiga rever e elaborar estratégias para a sua marca de moda. Continue acompanhando o nosso blog para entender a fundo como a comunicação e o marketing podem te ajudar. Siga também o nosso Instagram para outros conteúdos.

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de nossos conteúdos.​

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A sua marca conversa com quem?

Nós vivemos em uma época de mudança nas relações humanas. A tecnologia proporciona maior acesso às informações, maior interatividade e mais: as pessoas hoje se

Leia mais »